NOTÍCIAS

23/03/18 | Centro Cultural

Bate-papo

O Teatro Bradesco do Centro Cultural Minas Tênis Clube recebeu o trio formado pelos escritores Gregório Duvivier, Maria Ribeiro e Xico Sá, no bate-papo “Você é o que lê”. Numa conversa descontraída, como um bate-papo informal, os protagonistas trocaram ideias com o público sobre política e livros, discutiram o amor e declamaram Vinícius de Moraes e Cacaso.

Num primeiro momento, o caso político que comanda as pautas jornalísticas do país atualmente, o assassinato da vereadora carioca Marielle Franco, dominou a conversa. Os escritores não pouparam em falar suas opiniões sobre o assunto. Em seguida, chamados por uma pessoa na plateia, iniciaram a conversa sobre literatura, mas sem sair das questões políticas, porque foram questionados sobre o escritor fluminense Giovani Martins, oriundo da comunidade da Rocinha. Giovani tem como característica a linguagem não formal da língua. “Ele escreve como se fala. Então no livro dele tá escrito ‘mermo’, ao invés de ‘mesmo’”, afirmou Gregório, ressaltando a questão do respeito às diferenças e entendimento da sociedade e em sua evolução.

Sobre a literatura feita em Minas, os três foram unânimes em afirmar a qualidade dos poetas, escritores e cronistas  de Minas Gerais. “A ideia da crônica vem de uma conversa mineira”, disse Xico Sá.  O jornalista também afirmou a qualidade do texto de Murilo Rubião. “Se você pegar para ler Murilo Rubião, nunca mais solta. Eu acho que ele é melhor que Gabriel Garcia Marquez”, afirmou arrancando aplausos do público.

Maria Ribeiro disse que escreve com sinceridade, talvez por isso seus textos são tão bem aceitos. “Eu não acho que o artista deve pensar em agradar ao público. Se ele fizer isso, vai dar errado. Ele tem que se preocupar em ser verdadeiro e sincero. No jornal mesmo, (O Globo, onde a escritora mantém uma coluna semanal) eu brigo para manter minhas vírgulas erradas, para deixar escrito ‘geral foi’, que é o jeito que eu falo e as pessoas entendem”, contou.

Ao fim do bate –papo, Gregório Duvivier declamou um poema de Cacaso, Jogos Florais, que é inspirado na Canção do Exílio de Gonçalves Dias.

 

Outras Notícias

  • FIT no Centro Cultural do Minas

    19/09/18 | Centro Cultural

    Incorporando a agenda do Festival Internacional de Teatro, FIT, o Teatro do Centro Cultural Minas Tênis Clube recebe ...

    saiba mais
  • Ouvi Contar

    17/09/18 | Centro Cultural

    No dia 18 de setembro, entre 19h e 22h, no Café do Centro Cultural Minas Tênis Clube, o escritor, advogado, diretor e...

    saiba mais
desenvolvido por