NOTÍCIAS

15/06/19 | Centro Cultural

Eterno titã

O primeiro show do programa “Uma voz, um instrumento” temporada 2019 foi do cantor, compositor e ex-titã Paulo Miklos interpretando as canções do disco “A gente mora no agora”. Em 1h30 de show, o artista cantou canções da carreira solo e lembrou clássicos dos Titãs, uma das mais importantes bandas do BRock.

Durante todo o show, o artista conversou com o público e contou histórias das canções. Lembrou cenas dos filmes que participou e interpretou canções de outros nomes da música nacional. “A primeira música do show é uma parceria minha com o Emicida. Mostrei par a ele a música que é um ijexá, ritmo baiano. Ele gostou e topou fazer a letra. Ele ia olhando para a minha cara e escrevendo. Achei que ele tava me desenhando. Aí ele foi embora e depois foi mandando as ideias para letra da música pelo whastapp. A canção nasceu nessa tecnologia”, contou. Outra música feita por meio das novas tecnologias foi a sua parceria com Erasmo Carlos, intitulada “País elétrico”. “O Erasmo pediu para mandar a ideia da música por e-mail. Daí eu pensei que teria de enviar uma coisa genial para ele pegar o violão na hora e fazer, né? Aí comecei falando sobre uma notícia de que o Brasil é o país que cai mais raios no mundo e que se for mentira que caia um raio em mim. Logo, o Brasil é um país de mentirosos”, arrancou risos da plateia.

Paulo Miklos deixou o público cantar e foi atrás da plateia em algumas canções. “Não consigo me lembrar de todas”, disse, e aí o público comandou o show e foi lembrando o cantor a letra de algumas eternas canções dos Titãs. O artista cantou versos do rapper Sabotage (1973 – 2003) e prestou homenagem ao artista assassinado afirmando a sua relevância a cultura nacional. Ao fim do show, a plateia estava gritando com o sempre titã o clássico “Bichos escrotos”.

Outras Notícias

desenvolvido por